Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos
  • Trânsito

Veja o que diz a empresa de ônibus Piracicabana sobre os problemas nesta semana em Blumenau.

A empresa de ônibus recebeu a imprensa na garagem e falou sobre lotação nos ônibus, falta de funcionários, problemas mecânicos nos ônibus, tamanho dos ônibus, compra de passagem e estação de pré-embarque. Fonte do texto é do grupo no facebook "COLETIVO BLUMENAU".

Publicado em 05/02/2016 às 11:14


Veja o que diz a empresa de ônibus Piracicabana sobre os problemas nesta semana em Blumenau.

Fonte texto: Página no facebook “COLETIVO BLUMENAU”https://www.facebook.com/groups/176549896043079/?fref=ts

Foto de Jaime Batista (Blog do Jaime)

Foto de Jaime Batista (Blog do Jaime)

Coletivo Blumenau

Problemas mecânicos impedem a circulação de mais ônibus em Blumenau

A Viação Piracicabana prometeu pôr em circulação os 190 ônibus previstos em contrato com a prefeitura de Blumenau “entre terça e quarta-feira”. De acordo com o diretor da empresa na cidade, Maurício Queiroz, o que impede a operação regular são os problemas mecânicos da frota, e não mais a falta de motoristas e cobradores. Nesta sexta-feira 150 ônibus atenderam os blumenauenses.

No fim de semana e no feriado de Carnaval funcionários da concessionária vão trabalhar para regularizar os defeitos, causados por dois motivos principais, segundo Queiroz: a maioria dos carros estava fora de operação quando da transferência para Blumenau, e a superlotação observada nos primeiros dias teria danificado portas e elevadores para pessoas com dificuldade de locomoção.
A direção da Piracicabana reuniu a imprensa no pátio da garagem, localizada na Rua Almirante Tamandaré, entre ônibus que chegavam e saíam. Os jornalistas se posicionaram debaixo de sol e tiveram de se amontoar para ouvir os argumentos de Queiroz. O desconforto entre os profissionais era visível.

Antes da entrevista o Coletivo Blumenau questionou aos quase 800 integrantes do grupo o que eles gostariam de perguntar à empresa. Confira o que a Piracicabana respondeu:

 Foto de Jaime Batista (Blog do Jaime)

Foto de Jaime Batista (Blog do Jaime)

– Superlotação
Maurício Queiroz disse que os problemas já eram esperados nos primeiros dias de contrato emergencial. Classificou a semana como “extremamente complicada” e prometeu “regularizar a prestação do serviço”. Reconheceu que a população de Blumenau não está sendo atendida “da maneira que merece”. Voltou a falar das dificuldades na contratação dos trabalhadores da Glória.

 

– Problemas mecânicos
Explicou que os ônibus trazidos para Blumenau estavam, em muitos casos, parados. Por isso as falhas mecânicas frequentes. Também culpou a superlotação, disse que portas e elevadores estragaram por causa disso. Questionado, não soube informar quantos veículos precisaram de oficina.
Novamente atribuiu as falhas à demora na contratação dos profissionais da Glória, o que prejudicou manutenção e limpeza dos carros.

 

– Tamanho dos veículos
Os ônibus foram adquiridos para atuar em outros municípios, com outras realidades. Perguntado sobre as fileiras de assentos duplos e a quantidade de ônibus com apenas duas portas, justificou que ainda não houve tempo para fazer adaptações.
Queiroz não deu esperanças a quem aguarda a volta dos articulados. Segundo ele, esse tipo de veículo só seria eficiente onde há paradas amplas para embarque e desembarque de muitos passageiros ao mesmo tempo, o que não ocorreria em Blumenau.

 

– Tratamento aos funcionários
Queiroz afirmou que o sindicato sabia da falta de assentos específicos para os cobradores, mas orientou os profissionais a trabalharem na primeira cadeira após a catraca, e não em pé. Afirmou que confusões nas escalas e falta de informação entre os trabalhadores serão solucionadas.

 

– Compra de passagens
Anunciou que será possível comprar novas passagens ao longo do fim de semana. Afirmou que a maior preocupação é com as empresas, que não conseguem adquirir vale-transporte para os funcionários. A solução paliativa será o uso de passes de papel até que o sistema esteja funcionando corretamente.

 

– Cobrança de passagem
O diretor estranhou quando repórteres o informaram que não estava sendo cobrada passagem em algumas linhas nesta sexta-feira. Ele reconheceu que em dois terminais houve problemas porque catracas e validadores teriam sido arrancados.

 

– Estações de pré-embarque
Maurício Queiroz explicou que a Piracicabana não quis usar as estações da Beira-Rio e da 7 de Setembro “porque não sabe a quem elas pertencem”. Avaliou que o espaço delas é inadequado, porque só permite a parada de um ônibus por vez, gerando filas nos corredores. Deu sinais de que não pretende retomar o sistema de pré-embarque.

 

Fonte: CURTA A PÁGINA COLETIVO BLUMENAUhttps://www.facebook.com/groups/176549896043079/?fref=ts