Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Sessão Solene da Câmara de Vereadores de Blumenau celebra os 500 anos da Reforma Luterana.

A Câmara de Vereadores realizou na noite de segunda-feira, (23), uma Sessão Solene em celebração aos 500 anos da Reforma Luterana. A solenidade atendeu ao requerimento Nº 1.298/2017, do vereador Jens Mantau (PSDB), que foi aprovado pelos demais parlamentares. O evento reuniu autoridades religiosas do Vale do Itajaí, com a presença de diversos pastores que atuam nas igrejas luteranas do município e da região e também representantes políticos. Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB

Publicado em 24/10/2017 às 09:45


Legislativo celebra em Sessão Solene os 500 anos da Reforma Luterana

Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB

Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB

Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB

Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB

A Câmara de Vereadores realizou na noite de segunda-feira, (23),  uma Sessão Solene em celebração aos 500 anos da Reforma Luterana. A solenidade atendeu ao requerimento Nº 1.298/2017, do vereador Jens Mantau (PSDB), que foi aprovado pelos demais parlamentares. O evento reuniu autoridades religiosas do Vale do Itajaí, com a presença de diversos pastores que atuam nas igrejas luteranas do município e da região e também representantes políticos. 
O líder do governo, vereador Sylvio Zimmermann (PSDB), representou o prefeito Napoleão Bernardes (PSDB), e o secretário de Desenvolvimento Social Oscar Grotmann, o vice-prefeito Mário Hildebrandt (PSB). O deputado estadual Jean Kuhlmann (PSD) também prestigiou o evento, que contou ainda com a presença do Padre Raul Kestring representando o bispo dom Rafael Biernaski, e também do ex-vereador Ivo Hadlich, que foi quem introduziu o momento bíblico nas sessões legislativas. O Coro Jovem da Paróquia Luterana Velha Central fez uma apresentação, intercalando música instrumental e cantada durante os pronunciamentos dos convidados que usaram a tribuna. 
O evangelho de João, versículo 27, foi o escolhido pelo pastor Alexandre Klitzke para abrir a sessão solene. No versículo, Jesus diz: “Deixo com vocês a paz, é a minha paz que lhes dou. Não como o mundo a dá. Não fiquem aflitos, não tenham medo”. Segundo o pastor Klitzke, ele foi propositadamente escolhido porque a paz era algo que Lutero tanto desejava e vivia grande conflito espiritual por acreditar que Deus era um juiz severo que castigava as pessoas pelos pecados. “A busca dessa paz foi a grande motivadora da reforma”, afirmou.
O vereador proponente da solenidade, Jens Mantau, disse que a sua história pessoal está muito ligada às atividades desenvolvidas na Igreja Luterana, porque desde muito jovem começou a participar ativamente da instituição. Parabenizou a todos que há mais de 500 dias estão envolvidos na programação das comemorações da reforma. “Um trabalho incansável de pessoas para relembrar a história de Martinho Lutero, de sua coragem”, ressaltou, apontando que a obra de Lutero alterou profundamente a história do mundo, sendo uma das lideranças mais influentes no mundo no ultimo milênio, pois seu legado favoreceu também profundas mudanças na vida cotidiana das pessoas. Assinalou ainda que uma extensa programação em comemoração aos 500 anos da Reforma Luterana continua intensamente até o dia 31 de outubro para reforçar a história que inspirou tantos. “Lutero desejava uma igreja que fosse dinâmica e sempre em processo de reforma”, salientou.
Em seguida o Pastor Anderson Ellwanger, coordenador ministerial, agradeceu a oportunidade que a Câmara dava à Igreja Luterana para falar sobre os 500 anos da história da instituição e da coragem de Lutero. Ressaltou que muitos outros tentaram e não conseguiram fazer o que Lutero fez pelo cristianismo. “Nós, enquanto Igreja Luterana, somos frutos da reforma, mas não somos os únicos beneficiados, porque a mudança veio para dentro da sociedade”, assinalou, destacando a célebre frase de Lutero: “Para cada moeda gasta em guerra, 100 deveriam ser gastas em educação”.  Segundo o pastor, é o que a sociedade ainda precisa nos dias atuais: investir fortemente em educação. “O povo precisa ser motivado a ler Bíblia, a pensar e a entender”.
A pastora Márcia Helena Hülle destacou a importância da Reforma Luterana para a valorização da mulher.  “A reforma possibilita um espaço e um olhar diferente para o papel da mulher. Antes da reforma a mulher estava em um âmbito inferior e o movimento reformador biblicamente e teologicamente colocou a mulher em igualdade com o homem, porque eles foram criados à semelhança de Deus. Pelo batismo somos todos iguais aos olhos do Senhor”, afirmou, citando o surgimento da Organização das Mulheres Evangélicas (OASE), que é considerado a maior organização de mulheres no mundo. 
O tripé reunindo fé, educação e garantia de saúde foi destacado pelo deputado Jean Kuhlmann como a base luterana na formação da cidade de Blumenau e do estado de Santa Catarina. “A reforma com certeza marcou a história sob esta ótica. Em cada cidade catarinense podemos ver uma igreja, uma escola e um hospital próximos. Nesses três eixos conseguimos uma cidade e um estado diferenciados, porque a presença da Igreja Luterana é muito forte”, assinalou o deputado.
O pastor Roberto Bebel também destacou o fato de Blumenau ter sido colonizada por imigrantes alemães luteranos. Lembrou da programação ainda prevista para a cidade em comemoração à Reforma. “É uma cidade diversificada em muitos aspectos. E os 500 anos da Reforma nos deram impulso para pensar os próximos 500 anos”, disse, informando que um monumento será inaugurado na Casa do Comércio em homenagem a Lutero, na próxima quinta-feira (26), entre outras homenagens dedicadas ao reformista na cidade. Também destacou que toda celebração pela região é um trabalho de muitas mãos e agradeceu aos muitos parceiros pelo apoio financeiro e também aos muitos colaboradores anônimos. 
O vereador Sylvio Zimmermann disse que trazia a saudação do prefeito Napoleão Bernardes que estava em viagem, e ressaltou que o Legislativo prestava uma justa homenagem à Igreja Luterana. Disse que o ensinamento de Lutero faz parte de sua formação e que ao analisar uma situação sempre se coloca no lugar do outro. “Por isso imagino o quão difícil e angustiante foi pra Lutero traduzir a Bíblia e divulgá-la. Peço para fazermos um exercício de nos transportarmos para aquela época e nos colocarmos no lugar de Lutero, sabendo que hoje temos todas as informações do mundo na palma da nossa mão. O conhecimento quando se divide, se multiplica, e quão grande foi a multiplicação que proporcionou Lutero”,  disse, destacando também que Blumenau teve sua formação educacional e religiosa nos alicerces do luteranismo. Ressaltou que o Dr. Blumenau tinha uma grande preocupação com a religiosidade dos colonizadores e ele mesmo pregava a fé cristã para os imigrantes.
A sessão solene foi encerrada com as palavras e orações do pastor sinodal do Vale do Itajaí, Breno Carlos Willrich. Ele citou Mateus 5:13-14, em que Jesus diz: “Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor como restaurá-lo?”. O pastor Breno fez uma analogia com a Reforma Luterana, assinalando que há 500 anos a igreja de Jesus lançava sobre o mundo o medo e o terror do castigo de Deus, e quando Lutero redescobre o amor misericordioso de Deus joga para o mundo o sabor da alegria. “Deus não quer ver gente tristonha, mas alegre. Luteranos e luteranas têm lançado um belo tempero, construindo um mundo unido pela educação e ética, pelos valores cristãos, pelo testemunho do Evangelho”, reforçou. 
“Não queremos só olhar o passado, mas reconhecer que temos sido sal e luz para o tempero do mundo na coisas que fazemos. Temos uma força histórica e temos também uma força grande no presente. Ao redescobrirmos nossa história e nossos valores teológicos, nós podemos temperar melhor o nosso mundo”, reafirmou. 
A sessão solene será reprisada pela TVL no próximo sábado (28), às 23 horas, nos canais 14 da Net e 19 da BTV. Também ficará disponível no site da Câmara: camarablu.sc.gov.br. 
Sobre a Reforma Luterana
A Reforma Luterana, também conhecida por Reforma Protestante, foi um movimento reformista cristão culminado no início do século XVI por Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517, na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica Romana, propondo uma reforma no catolicismo romano.
Fonte: Assessoria de Imprensa CMB
Fotos: Jessica de Morais | Imprensa CMB