Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Placas de prevenção a afogamentos são vandalizadas em Blumenau

Duas das sete placas instaladas pelo 3° Batalhão de Bombeiros Militar para prevenir novos afogamentos em água doce em Blumenau foram arrancadas no começo deste ano. O ato de vandalismo aconteceu nas regiões da Prainha, no Centro, e na Garganta do Diabo, no Salto Norte. As placas foram posicionadas em seis locais considerados estratégicos pelo […]

Publicado em 10/01/2020 às 08:01


Foto Bombeiros Blumenau SC

Duas das sete placas instaladas pelo 3° Batalhão de Bombeiros Militar para prevenir novos afogamentos em água doce em Blumenau foram arrancadas no começo deste ano. O ato de vandalismo aconteceu nas regiões da Prainha, no Centro, e na Garganta do Diabo, no Salto Norte.

Foto Bombeiros Blumenau SC

As placas foram posicionadas em seis locais considerados estratégicos pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina devido ao alto volume de banhistas durante o verão e pelo registro de afogamentos em anos anteriores em todos esses pontos:

Rio Itajaí-Açu:
-rua Tupari, ao final da rua
-rua Porto Rico, na Prainha
-rua Silvano Cândido da Silva, próximo ao Anel Viário Norte
-rua Elsbeth Federsen, próximo ao Motel Cisne, duas placas no local conhecido como Garganta do Diabo

Rio Testo:
-rua Helmund Trapp, próximo à Karsten

Ribeirão Garcia:
-rua Santa Maria, outro local conhecido como Garganta do Diabo

Dentre as orientações presentes no material estão o alerta para risco de morte ao banhista e dicas de ação em caso de afogamentos. “Esses locais são realmente perigosos para o banho, por isso as informações contidas nas placas são tão importantes. Nos entristece bastante saber que danificaram esse bem público, pois nosso objetivo é alertar as pessoas para salvar vidas”, lamenta o Tenente-Coronel Luciano Mombelli da Luz, comandante do 3º BBM.

O objetivo do batalhão é repor as placas o mais rápido possível, entretanto será necessário aguardar algumas semanas, já que a máquina pública só volta a funcionar a partir do dia 20 de janeiro. “Como o processo de compra depende de um rito burocrático, talvez só consigamos fazer a reposição em fevereiro. Infelizmente locais de risco de morte não estarão sinalizados por falta de responsabilidade da população, podendo haver novas ocorrências”, confirma Ten Cel BM Mombelli.