Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

ÔNIBUS #BLUMENAU. TRABALHADORES APROVAM BASES PARA ACORDO PROPOSTO PELO DESEMBARGADOR DO TRT-SC, MAS REIVINDICAM MELHORIA NO VALE ALIMENTAÇÃO.

Os trabalhadores do transporte coletivo de Blumenau aprovaram nesta sexta-feira (29) a proposta para tentativa de conciliação feita pelo Desembargador Roberto Guglielmetto em reunião ocorrida na última segunda-feira (25) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Florianópolis, mas querem um reajuste maior que o INPC no vale alimentação. A proposta do Desembargador consiste na renovação […]

Publicado em 29/11/2019 às 05:45


Foto Sindestrancol

Os trabalhadores do transporte coletivo de Blumenau aprovaram nesta sexta-feira (29) a proposta para tentativa de conciliação feita pelo Desembargador Roberto Guglielmetto em reunião ocorrida na última segunda-feira (25) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Florianópolis, mas querem um reajuste maior que o INPC no vale alimentação.

A proposta do Desembargador consiste na renovação de todas as cláusulas da atual Convenção Coletiva de Trabalho (CCT 2018/2019), com reajuste de salários e vale alimentação com base no INPC do período (2,55%), e o acréscimo de mais uma cláusula garantindo o pagamento de Participação de Lucros e Resultados (PLR), nos moldes da CCT dos trabalhadores do transporte coletivo de Florianópolis.

Além disso, fica assinado o compromisso de discutir com o poder público municipal a mudança da data-base da categoria, a mudança de nomenclatura dos cobradores para agentes de bordo e as condições de trabalho nos terminais.

A posição da categoria será levada para a reunião que acontecerá na próxima segunda-feira (2/12), às 16h30, no TRT em Florianópolis, quando novamente o Desembargador Roberto Guglielmetto conduzirá o encontro para tentativa de conciliação.

O PLR DE FLORIANÓPOLIS

O Programa de Participação de Lucros e Resultados previsto na CCT dos trabalhadores da capital catarinense consiste no recebimento de 5% do piso mensal de cada função, (pagos duas vezes ao ano, ou seja, de seis em seis meses), totalizando o valor de 60% do piso de cada função por ano, considerando o cumprimento de metas pessoais (assiduidade/faltas injustificadas) e metas coletivas (multas/acidentes).
Foto Sindestrancol