Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Ministro da Infraestrutura confirma aporte de R$ 200 milhões nos lotes 1 e 2 da BR-470 | Sindilojas Blumenau

Chega ao fim o impasse em torno da concentração ou pulverização dos recursos para a BR-470. O Ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas atendeu ao apelo das entidades de classe e da sociedade catarinense e confirmou o aporte de R$ 200 milhões nos lotes 1 e 2, durante audiência pública na Comissão de Infraestrutura do […]

Publicado em 18/08/2021 às 08:00


Chega ao fim o impasse em torno da concentração ou pulverização dos recursos para a BR-470. O Ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas atendeu ao apelo das entidades de classe e da sociedade catarinense e confirmou o aporte de R$ 200 milhões nos lotes 1 e 2, durante audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado, nesta terça-feira (17). O governador Carlos Moisés também afirmou que cerca de R$ 100 milhões do orçamento estadual devem ser aplicados no lotes 3 e 4, além dos R$ 100 milhões para a BR-163 e R$ 50 milhões para a BR-280 já aprovados. O projeto de lei para aplicação dos recursos adicionais ainda será enviado para aprovação na Alesc. “A decisão é considerada uma vitória para as entidades que articularam forças pela conclusão emergencial dos dois trechos. Prevaleceu o bom senso. A duplicação é um das obras de infraestrutura mais urgentes para Santa Catarina, não só para impulsionar o desenvolvimento econômico de nosso estado, mas principalmente para preservar a vida dos cidadãos”, aponta o vice-presidente da Fecomércio SC, Emílio Rossmark Schramm, que também está à frente do Comitê pela Duplicação da BR- 470. Potencial da BR-470 Levantamento inédito realizado pela Fecomércio SC sinaliza os entraves provocado pelo atraso da obra e o potencial de desenvolvimento das 20 cidades no entorno da rodovia: A média de crescimento do PIB per capita é menor nos municípios próximos a BR- 470 (6,01%) em relação a BR-101 (9,38%)A média de crescimento de empresas também é inferior, 1,50% diante de 2,19%.A diferença no estoque de emprego formal é ainda mais significativa: 1,86% contra 4,03%.
Fonte: Fecomércio SC