Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Homem é condenado a 11 anos e oito meses de reclusão por homicídio na Margem Esquerda, em Gaspar

O Tribunal do Júri da comarca de Gaspar, em sessão ocorrida nesta quarta-feira (16/2), condenou um acusado de matar um homem de 35 anos após uma discussão em outubro de 2020, na Margem Esquerda. A juíza Griselda Rezende de Matos Muniz Capellaro, titular da Vara Criminal de Gaspar, presidiu a sessão na qual foram ouvidas […]

Publicado em 18/02/2022 às 08:10


O Tribunal do Júri da comarca de Gaspar, em sessão ocorrida nesta quarta-feira (16/2), condenou um acusado de matar um homem de 35 anos após uma discussão em outubro de 2020, na Margem Esquerda. A juíza Griselda Rezende de Matos Muniz Capellaro, titular da Vara Criminal de Gaspar, presidiu a sessão na qual foram ouvidas seis testemunhas e interrogado o réu.
No julgamento, os jurados reconheceram a existência de homicídio privilegiado, com a tese de que o acusado cometeu o crime sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima, que quebrou o retrovisor do seu carro e o agrediu na cabeça. O que foi considerado como atenuante na aplicação da pena. Ele foi condenado a pena de 11 anos e oito meses de reclusão por homicídio qualificado por motivo fútil e a pena de um mês e 10 dias de detenção por ameaça. 
De acordo com Ministério Público (MP), após avistar o namorado da ex-mulher na residência dela, o réu teria saído do local extremamente irritado. Por ciúmes, ele teria enviado mensagens ameaçadoras aos dois no celular da ex-companheira. Diante da situação, um amigo do casal, acompanhado da esposa, foi até a residência buscar o homem ameaçado. 
Ao embarcar no veículo do amigo e sair do local, o réu teria iniciado uma perseguição, o que gerou uma breve discussão e vias de fato entre ele e o motorista do carro. Ao retornar para a Margem Esquerda, na tentativa de acionar a polícia, o amigo foi o único atingido nas costas pelos disparos de arma de fogo, que teriam sido efetuados pelo réu, segundo consta na denúncia do MPSC. 
O júri popular ocorreu sem a presença do público externo obedecendo às orientações sanitárias por conta da Covid-19, conforme todos os protocolos e cuidados recomendados pela Diretoria de Saúde do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC). Somente as partes, o advogado de defesa, os membros do Ministério Público, as testemunhas, os jurados e os servidores e auxiliares do juízo indispensáveis à realização do ato estarão presentes na sessão.​ 
O homem que respondeu ao processo preso preventivamente no Presídio Regional de Blumenau, não poderá recorrer em liberdade. A decisão de Primeiro Grau é passível de recurso. O processo tramita sob sigilo.

Pamyle Brugnago – Jornalista

Foto meramente Ilustrativa e arte criação #blogdojaime