Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos
  • Ocorrências

GOLPE: Empresas virtuais FALSAS de venda de produtos pela internet. Jovens de Blumenau, Gaspar e Ilhota foram presos. GAECO deflagra Operação “Off-Line” em Blumenau.

Veja a entrevista coletiva do GAECO, Ministério Público e Polícia Civil de Blumenau. Operação investiga a criação de falsas empresas virtuais para vendas pela internet sem fazer a entrega dos produtos. A estimativa é de que o golpe ultrapasse a cifra de milhões de reais. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) deflagrou em Blumenau, na manhã desta quarta-feira (26/7), a operação "Off-Line". Foram cumpridos sete prisões preventivas, nove prisões temporárias, três conduções coercitivas e 20 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Blumenau. As investigações começaram a partir de um procedimento instaurado pela 15ª Promotoria de Blumenau para apurar a prática de reiteradas fraudes em vendas virtuais realizadas em todo o Brasil. O GAECO iniciou as investigações a partir do mês de março e apurou a existência de uma organização criminosa que atua na criação de falsas empresas virtuais e realiza vendas de produtos variados pelo site, recebendo os pagamentos através de boletos ou depósitos bancários, sem fazer qualquer tipo de entrega. Para dar aparência de realidade da falsa atuação comercial, foi apurado que o grupo aluga um espaço físico e faz uma plotagem que é fotografada, simulando a existência de endereço físico da atividade anunciada. Ao colocarem as fotos no site, levam os consumidores a acreditar que a atividade é licita. Quando a fraude vem à tona, através de registros policiais e pelas reclamações postadas na própria internet, o Grupo imediatamente elimina a loja denunciada e cria outra loja virtual para seguir enganando os consumidores em todo o Brasil. Até agora o GAECO identificou pelo menos 18 lojas virtuais criadas pela organização criminosa e estima que o montante dos golpes ultrapassa a cifra de milhões de reais. Veja o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=90VrFSZgsHQ

Publicado em 27/07/2017 às 10:10


GOLPE: Empresas virtuais FALSAS de venda de produtos pela internet. Jovens de Blumenau, Gaspar e Ilhota foram presos. GAECO deflagra Operação “Off-Line” em Blumenau.

Foto Gaeco

Foto Gaeco

Foto #Blogdojaime

Veja o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=90VrFSZgsHQ

Operação investiga a criação de falsas empresas virtuais para vendas pela internet sem fazer a entrega dos produtos. A estimativa é de que o golpe ultrapasse a cifra de milhões de reais.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) deflagrou em Blumenau, na manhã desta quarta-feira (26/7), a operação “Off-Line”. Foram cumpridos sete prisões preventivas, nove prisões temporárias, três conduções coercitivas e 20 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Blumenau.

As investigações começaram a partir de um procedimento instaurado pela 15ª Promotoria de Blumenau para apurar a prática de reiteradas fraudes em vendas virtuais realizadas em todo o Brasil. O GAECO iniciou as investigações a partir do mês de março e apurou a existência de uma organização criminosa que atua na criação de falsas empresas virtuais e realiza vendas de produtos variados pelo site, recebendo os pagamentos através de boletos ou depósitos bancários, sem fazer qualquer tipo de entrega.

Para dar aparência de realidade da falsa atuação comercial, foi apurado que o grupo aluga um espaço físico e faz uma plotagem que é fotografada, simulando a existência de endereço físico da atividade anunciada. Ao colocarem as fotos no site, levam os consumidores a acreditar que a atividade é licita.

Quando a fraude vem à tona, através de registros policiais e pelas reclamações postadas na própria internet, o Grupo imediatamente elimina a loja denunciada e cria outra loja virtual para seguir enganando os consumidores em todo o Brasil.

Até agora o GAECO identificou pelo menos 18 lojas virtuais criadas pela organização criminosa e estima que o montante dos golpes ultrapassa a cifra de milhões de reais.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC