Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Estudante do SENAI em Blumenau vence 8º Prêmio Sul Brasil de Moda Inclusiva

Aluna de curso de Aprendizagem Industrial superou competidores de cursos técnicos e superiores oriundos dos três estados do Sul do Brasil. A estudante Kailaine Berns, 19 anos, do curso de Aprendizagem Industrial em Confeccionador de Moldes e Roupas, do SENAI em Blumenau, foi a vencedora do 8º Prêmio Sul Brasil de Moda Inclusiva, iniciativa que […]

Publicado em 07/12/2021 às 05:56


Aluna de curso de Aprendizagem Industrial superou competidores de cursos técnicos e superiores oriundos dos três estados do Sul do Brasil.

A estudante Kailaine Berns, 19 anos, do curso de Aprendizagem Industrial em Confeccionador de Moldes e Roupas, do SENAI em Blumenau, foi a vencedora do 8º Prêmio Sul Brasil de Moda Inclusiva, iniciativa que tem o propósito de estimular estudantes de arte visuais, design e moda para criação e produção de peças e roupas adaptadas para pessoas com deficiência. O evento, com desfile e premiação, foi realizado no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis, na sexta-feira, 3 de dezembro, que é o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. 

“Busquei criar roupas funcionais, que fizessem as pessoas se sentirem bem, não se sentirem diferentes”, afirmou a estudante, ainda emocionada com a conquista e surpresa com a presença dos avós, que se deslocaram de Blumenau a Florianópolis para assistir o desfile e torcer pela neta. Kailaine também se mostrou feliz por, mesmo sendo de um curso de aprendizagem, ter superado criações de estudantes de cursos técnicos ou superiores de moda oriundos de cidades como Curitiba-PR, Novo Hamburgo-RS, além das catarinenses Jaraguá do Sul, Itajaí, Criciúma, Brusque, Joinville e da própria Blumenau.

Cada estudante apresentou três looks. No caso de Kailaine, foram confecções femininas para cega, cadeirante e usuária de prótese de perna. “Durante o processo de criação, eu conversei bastante com pessoas com deficiência, para ouvir a opinião delas”, explica. No caso da cadeirante, Kailaine criou uma peça em que a usuária se senta sobre a roupa a passa a se vestir, utilizando imãs discretos para o fechamento das peças. No caso da usuária de prótese, a opção foi por zíperes laterais nas calças. “Para a cega, eu coloquei texturas e aroma de flores, para facilitar a escolha da roupa nas lojas. Elas querem ter mais independência na hora de comprar”, diz a estudante. 

Para Kailaine, a conquista veio em bom momento, já que ela quer seguir a carreira de estilista. Na premiação, ela ganhou uma máquina de costura (oferecida pela Silmaq) e um está na RenauxView, em Brusque.