Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Em período de isolamento social, MPSC reforça importância da atenção à saúde mental.

Com o início de uma nova semana de quarentena em todo o estado a partir de 1° de abril, o MPSC reúne orientações para a manutenção da saúde mental individual e coletiva e reforça a importância do cumprimento das medidas de prevenção à covid-19.  Proteger-se contra o novo coronavírus demanda mais do que se manter […]

Publicado em 02/04/2020 às 04:56


Com o início de uma nova semana de quarentena em todo o estado a partir de 1° de abril, o MPSC reúne orientações para a manutenção da saúde mental individual e coletiva e reforça a importância do cumprimento das medidas de prevenção à covid-19.
 Proteger-se contra o novo coronavírus demanda mais do que se manter em casa: frente à sensação de solidão, ansiedade e estresse que as medidas de isolamento social podem gerar, é essencial estar atento à saúde mental. Com o início de uma nova semana de quarentena em todo o estado a partir do dia 1° de abril, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) reforça a importância do cumprimento das medidas de isolamento social e reúne orientações para a manutenção da saúde mental individual e coletiva nesse período.A população vivencia um processo de adaptação às medidas emergenciais adotadas no estado desde março. Para auxiliar seus servidores e membros durante essa fase, a Instituição oportuniza apoio psicológico inicial por meio do canal “Apoio Psicológico Coronavírus”, no Cisco Jabber. O atendimento é realizado das 9h às 12h e das 13h às 19h.”Do ponto de vista psicológico, consideramos que toda mudança significativa em nossas vidas e em nossa rotina envolve um período de adaptação muito particular a cada um, em razão de suas condições objetivas, sociais e subjetivas”, comenta a analista em Psicologia da Coordenadoria de Recursos Humanos (CORH) do MPSC Mariana Montibeller. O isolamento de pessoas que residem sozinhas, por exemplo, tem uma dinâmica distinta em relação ao de pessoas que vivem com familiares.A ausência e impossibilidade de contato presencial pode produzir em quem reside sozinho uma maior sensação de isolamento e solidão; por sua vez, a necessidade de conciliar o trabalho remoto com as demandas familiares pode gerar estresse e ansiedade em quem está em isolamento com crianças.Os analistas em Psicologia da CORH Mariana Montibeller, Marlos Gonçalves Terêncio e Renata Susan Pereira ressaltam que é inevitável que a população experimente momentos de ansiedade. “Não é possível evitar sentirmos ao menos um pouco de ansiedade. Devemos primeiramente aceitar isso para que possamos, então, gerenciar essa sensação da melhor forma pelo aparelho psíquico. Mas existem, é claro, estratégias para lidar com a ansiedade que podem ajudar neste momento crítico”, afirmam.Trabalho remoto e separação de rotinasNesta situação excepcional, as dimensões da vida pessoal e profissional são vivenciadas no mesmo espaço e, por vezes, ao mesmo tempo. Para quem tem filhos pequenos, os analistas em Psicologia do MPSC comentam que buscar um equilíbrio entre o cuidado com as crianças, a casa, o trabalho e o que acontece no mundo pode ser um desafio.”É bastante difícil essa separação e, sob o prisma psicológico, não é o momento para cobranças excessivas de produtividade. Por outro lado, ocupar-se com o trabalho neste momento de crise, além de necessário sob o ponto de vista de nossa responsabilidade profissional e social, é também recomendável, porque empregamos nossa energia psíquica em atividades nas quais podemos contribuir ativamente”, explicam os psicólogos.Nesse contexto, recomendam a delimitação de horários para o trabalho e para atividades familiares e domésticas, o diálogo com a chefia caso seja necessário algum ajuste de horário, o acordo com o cônjuge para que ambos consigam trabalhar em condições razoáveis e a atenção para evitar a sobreposição de demandas.Ansiedade e estratégias de relaxamentoEspecialmente para quem reside sozinho, a orientação da equipe do MPSC é procurar manter ou ampliar os contatos a distância por mensagens ou ligações com familiares, colegas de trabalho e amigos. Outra estratégia que pode ser adotada para minimizar a sensação de ansiedade é restringir a uma ou duas vezes por dia os momentos para se informar sobre as últimas notícias relacionadas ao coronavírus, a fim de evitar o bombardeio de informações.Outras orientações são compartilhar notícias e experiências positivas; estar atento às emoções; estabelecer uma nova rotina diária, dentro do possível; e, além do trabalho, buscar períodos no dia para atividades prazerosas e exercícios físicos, que tragam relaxamento e contentamento.Atenção à saúde mental“É comprovado que vivências de calamidade podem conduzir a quadros depressivos e ao estresse pós-traumático, por exemplo. É possível também que as pessoas que já sofrem de transtornos psicológicos tenham seus sintomas exacerbados”, destacam Mariana, Marlos e Renata. Por isso, alertam para a necessidade de estar atento ao sofrimento psicológico e orientam a busca de auxílio para evitar agravamento.Os analistas em Psicologia destacam a possibilidade de agendar e realizar consultas por vídeo ou telefone com profissionais da área, especialmente neste contexto de isolamento social. Aos seus servidores e membros, o MPSC oportuniza apoio psicológico inicial no sentido de escuta, acolhimento e orientação em relação à manutenção da saúde mental.Das 9h às 12h e das 13h às 19h, a equipe de analistas em Psicologia da CORH está disponível por meio do canal “Apoio Psicológico Coronavírus”, no Cisco Jabber. A Gerência de Atenção à Saúde (GESAU) continua disponibilizando também o canal “GESAU – Atendimento coronavírus”.Segurança dos direitos dos catarinensesAntes mesmo da confirmação do primeiro caso de covid-19 em Santa Catarina, o MPSC vinha adotando medidas preventivas e monitorando ações de contingência à propagação do coronavírus no estado.Diante do contexto de pandemia, a Instituição reforça constantemente a importância do cumprimento das orientações da autoridade sanitária estadual e zela pela segurança dos direitos dos quais as pessoas não podem abrir mão, como a vida e a saúde. Veja aqui o que o MPSC, dentro de sua competência, está fazendo por você no enfrentamento à covid-19.