Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Coronavírus em SC – MAPA DE RISCO DIVULGADO NESTE SÁBADO 06/03/2021: Estado tem todas as regiões classificadas no risco gravíssimo pela segunda semana seguida.

Coronavírus em SC – MAPA DE RISCO DIVULGADO NESTE SÁBADO 06/03/2021: Estado tem todas as regiões classificadas no risco gravíssimo pela segunda semana seguida. Das 16 regiões, seis receberam nota máxima em todos os quesitos analisados: Xanxerê, Extremo Oeste, Médio Vale do Rio Itajaí, Meio-Oeste, Foz do Rio Itajaí e Alto Uruguai Catarinense.  A Secretaria […]

Publicado em 06/03/2021 às 12:05


Coronavírus em SC – MAPA DE RISCO DIVULGADO NESTE SÁBADO 06/03/2021: Estado tem todas as regiões classificadas no risco gravíssimo pela segunda semana seguida.

Das 16 regiões, seis receberam nota máxima em todos os quesitos analisados: Xanxerê, Extremo Oeste, Médio Vale do Rio Itajaí, Meio-Oeste, Foz do Rio Itajaí e Alto Uruguai Catarinense. 

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste sábado, 6, os dados da Matriz de Risco Potencial em relação ao novo coronavírus. Pela segunda semana consecutiva, todas as regiões do estado se encontram em nível gravíssimo (cor vermelha).

A região Oeste, que havia obtido a classificação mais elevada em todos os índices por duas semanas seguidas, desta vez reduziu índices de transmissibilidade. Desde a criação do Centro Integrado de Operações em Saúde, o Governo do Estado reforçou ainda mais a atuação na região.  A Secretaria da Saúde pactuou a abertura de 518 leitos clínicos e 268 leitos de UTI nos últimos 30 dias. Destes, 266 leitos clínicos e 86 de terapia intensiva estão em unidades hospitalares do Oeste e Meio-Oeste catarinense.

Desde o início da gestão da pandemia, Santa Catarina ampliou de 546 para mais de 1,5 mil leitos de UTI ativos no Estado. 

Nessa sexta-feira, 5, Santa Catarina ultrapassou a marca dos 700 mil casos e  38.156 casos ativos. 

“Todos os indicadores estão gravíssimos e nos chama a atenção a taxa de contaminação altíssima. O número de casos ativos cresce diariamente e não apresenta nenhuma tendência de estabilização até o presente momento”, explica a analista de dados Bianca Vieira, do Centro de Operações de Emergência em Saúde.