Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Consumidores e logistas blumenauenses têm expectativas positivas para 2020.

Os blumenauenses estão otimistas com o ano que inicia, conforme aponta a pesquisa de Expectativa do Consumidor e do Empresário para 2020, realizada pela Fecomércio SC nas cidades de Chapecó, Lages, Florianópolis, Criciúma, Joinville, Itajaí e Blumenau. A pesquisa traz a percepção dos dois públicos em relação ao emprego, investimentos, vendas, metas, entre outros indicadores. […]

Publicado em 20/01/2020 às 03:14


Foto: Divulgação.

Os blumenauenses estão otimistas com o ano que inicia, conforme aponta a pesquisa de Expectativa do Consumidor e do Empresário para 2020, realizada pela Fecomércio SC nas cidades de Chapecó, Lages, Florianópolis, Criciúma, Joinville, Itajaí e Blumenau.

A pesquisa traz a percepção dos dois públicos em relação ao emprego, investimentos, vendas, metas, entre outros indicadores. Foram entrevistados 2097 consumidores e 408 empresários.

Para 76,3% dos blumenauenses, este ano será melhor do que 2019 – o percentual, porém, é menor na comparação com o ano anterior (87%). No Estado, 68,3% dos entrevistados estão otimistas para 2020. Enquanto a percepção está mais positiva em Itajaí (77,0%), os moradores de Criciúma (20,0%) acreditam que o ano deve ser pior.

A maioria dos catarinenses está seguro (41%) ou muito seguro (22%) em relação ao emprego. Destaque para Blumenau, com o maior percentual de segurança (44,0%) neste quesito. 

A meta da maior parte dos consumidores de Blumenau é economizar (32,3%), seguido por aqueles que pretendem comprar imóvel (21,7%),reformar a casa (12,3%), comprar automóvel/moto (10,3%),e viajar (6,7%).

Empresários cautelosos

Metade dos empresários de Blumenau (50%) afirmou que tem ótimas perspectiva de vendas- em Santa Catarina o índice chega a 54,2%. No entanto, os dados sinalizam que eles permanecem cautelosos. 

A maioria dos empresários  blumenauenses (68,3%) afirmou que não pretende ampliar o quadro de trabalhadores,  não pretende investir (78%) e nem diversificar seus negócios (96,7%).

Foto: Divulgação.