Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

CELESC e equipe do Projeto Bugio comprometem-se a adotar medidas para redução das mortes de macacos por eletrocussão na região de Blumenau.

Dentre as iniciativas estão a instalação de pontes – passa-faunas -, isolamentos da rede elétrica e a cessão de armadilhas fotográficas para o monitoramento dos animais. Em reunião com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) na tarde de terça-feira (11/6), a Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (Celesc) e a equipe do Projeto Bugio […]

Publicado em 13/06/2019 às 05:23


Dentre as iniciativas estão a instalação de pontes – passa-faunas -, isolamentos da rede elétrica e a cessão de armadilhas fotográficas para o monitoramento dos animais.

Em reunião com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) na tarde de terça-feira (11/6), a Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (Celesc) e a equipe do Projeto Bugio comprometeram-se a adotar medidas em conjunto para diminuir os casos de mortes de bugios por descargas elétricas na região de Blumenau. Dentre as iniciativas estão a instalação de pontes – passa-faunas -, isolamentos da rede elétrica e a cessão de armadilhas fotográficas para o monitoramento dos animais.

A Promotoria Regional do Meio Ambiente de Blumenau acompanhará as instalações, as atividades e os resultados das iniciativas, que poderão servir no futuro para a criação de um programa institucional na CELESC sobre o tema. “Além de estarem ameaçados de extinção, os bugios são verdadeiros sentinelas da população por revelarem a presença do vírus da febre amarela numa área”, explica o Promotor Regional do Meio Ambiente de Blumenau, Leonardo Todeschini.

Estima-se que 200 animais de diversas espécies morrem por ano em decorrência do contato com a rede pública de distribuição de energia elétrica na região. Os bugios, especificamente, utilizam os postes e a fiação elétrica para se movimentar nas áreas próximas às coberturas vegetais, o que também ocasiona constantes interrupções no fornecimento de energia elétrica à população.

Desde 2015, por meio do Inquérito Civil n. 06.2015.00000160-2, a Promotoria Regional do Meio Ambiente de Blumenau discute com entidades de pesquisa e proteção animal e com a CELESC alternativas para resolver a situação. Recentemente, após estudos e vistorias conjuntas, a CELESC e a equipe do Projeto Bugio realizaram um levantamento dos pontos de maior ocorrência de óbitos de bugios na região e comprometeram-se com o MPSC a adotar medidas em conjunto para melhoria do quadro. O Projeto Bugio tem como foco a preservação dos bugios-ruivos, Alouatta clamitans. Atualmente, a sede do Centro de Pesquisas Biológicas possui cerca de 40 animais. O Centro de Pesquisas Biológicas de Indaial e o Observatório de Primatas do Morro Geisler foram criados pela Lei Municipal n. 2.099, em março de 1992. O centro é mantido por meio de um convênio entre a Prefeitura Municipal de Indaial e a Fundação Universidade Regional de Blumenau.