Whatsapp
   jaimebnu@terra.com.br
  • Diversos

Atenção redobrada no verão: cuidados para evitar acidentes com banhos e mergulhos

Próximo do verão, aumentam os casos de acidentes como afogamentos, mal súbito, hipotermia e traumas, além disso, este ano ainda requer uma preocupação a mais, o Coronavírus Próximo da estação mais quente do ano, torna-se comum a procura por piscinas, praias, rios, cachoeiras, entre outros lugares que refrescam e, ao mesmo tempo, transformam o momento […]

Publicado em 04/12/2020 às 08:00


Próximo do verão, aumentam os casos de acidentes como afogamentos, mal súbito, hipotermia e traumas, além disso, este ano ainda requer uma preocupação a mais, o Coronavírus
Próximo da estação mais quente do ano, torna-se comum a procura por piscinas, praias, rios, cachoeiras, entre outros lugares que refrescam e, ao mesmo tempo, transformam o momento em diversão para o corpo e a alma.
 
No entanto, é nesta época do ano que são registrados os maiores números de acidentes que podem, inclusive, levar uma pessoa a perder os movimentos de braços e pernas e até a morte durante banhos e mergulhos.
 
Segundo dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), a cada 92 minutos, um brasileiro morre afogado; 52% das mortes estão na faixa de 1 a 9 anos idade e ocorrem em piscinas e residências; 70% dos óbitos são registrados em rios e represas; 44% ocorrem no verão (de dezembro a março), e mais de 90% das mortes acontecem por ignorar os riscos, não respeitar limites pessoais e desconhecer como agir.
 
No Brasil, os afogamentos são a segunda maior causa de mortes e a sétima de hospitalização por motivos acidentais entre crianças de 0 a 14 anos, segundo a ONG Criança Segura.
 
A neurocirurgiã Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel (Blumenau/SC),  alerta que, depois dos afogamentos, os acidentes mais comuns no verão são, mal súbito, hipotermia e traumas em geral.
 
Para não deixar o lazer de lado, a especialista ressalta sete fatores importantes para prevenir qualquer tipo de acidente, e até mesmo a morte. São eles:
 Conhecer a profundidade do local em que mergulhará, principalmente em lugares que possuem pedras, como rios e cachoeiras;Observar se há salva-vidas por perto;Para as piscinas, mantenha em dia o exame médico;Evitar ingerir bebidas alcoólicas e alimentos pesados antes de mergulhar;Evitar saltar de cabeça e ficar atento com saltos em beiradas de piscinas, trampolins e afins;Crianças sempre devem estar supervisionadas por um adulto;Não superestime sua capacidade de nadar.  “A maioria destes incidentes ocorre por falta de prudência. As pessoas ignoram seus limites e acham que sempre podem avançar um pouco mais e, isto pode ocasionar um afogamento ou algo pior”, afirma Danielle.
 
Coronavírus e o verão
A neurocirurgiã explica que, além da preocupação com afogamentos e traumas, este ano ainda requer uma preocupação a mais, o contágio da Covid-19.
E, a pergunta que muitas pessoas fazem é esta – “Posso me contaminar dentro da piscina?” – a resposta é: pouco provável, afirma a médica.
 
“Com a ação do cloro, não é possível que o vírus fique dentro da água. Portanto, uma vez estando imerso na piscina, a pessoa têm mínimas chances de contrair a doença”, explica Danielle.
 
Porém, a especialista alerta, dentro da piscina não é possível contrair o vírus, mas, na beirada da piscina e mantendo contato com outras pessoas, é possível.

“É preciso que as pessoas entendam que, mesmo que os locais estejam abertos para o público frequentá-los, é preciso que haja atenção e cuidado. Então, a dica que fica é, tenha seu próprio kit pessoal como álcool em gel, toalhas e chinelos. Além disso, sempre que estiver fora da piscina use máscara e evite aglomerações”, finaliza a neurocirurgiã Danielle de Lara.